work is not a job

22.12.11

22.12.11

este ano de 2011 pude experimentar, de uma forma intensa a sensação de (tentar) controlar a minha própria vida.
deixei de ter um emprego remunerado e fiquei em casa, tornei-me mãe de duas miúdas a tempo inteiro, escolhi ser empreendedora e tentar desenvolver os meus próprios projectos com os meus recursos e assumi todos os riscos que estas escolhas envolvem. foi também esta a altura em que me senti mais cansada, em que parece que o trabalho nunca acaba e que o tempo, serve para todos menos para mim. não que me arrependa da escolha que fiz, porque não arrependo, e porque há uma sensação que para mim é impagável. agora, mais do que nunca, sei para o quê e para quem trabalho. todas as minhas tarefas têm uma razão de ser e um objectivo. a motivação do 'porque sim' desapareceu por completo da minha vida. sei que muitas pessoas não fazem a menor ideia do que eu estou a falar, mas também sei que há uma pequena percentagem para quem estas palavras fazem todo o sentido.
basicamente experimentei a sensação do trabalho não remunerado. o trabalho que se faz para os outros, que se faz por mero interesse ou prazer, que se faz porque há trabalho que dá gozo e do qual se gosta. e trabalho, não é, felizmente ou infelizmente (esta parte ainda não percebi) sinónimo de dinheiro...ter trabalho não é ter um emprego!

'work is not a job' é a minha frase para 2011. e esta é tatuagem que eu vou usar, e que vai vir daqui!

(fotrografia de tattly)

6 comentários

  1. Também podia usar essa tatuagem ;)
    mas não sentes que para os "outros" não ter um emprego é como se não se trabalhasse? eu sinto isso muitas vezes, e este caminho já é por vezes tão dificil... :(

    ResponderEliminar
  2. eu sei do que estás a falar :))

    ResponderEliminar
  3. anita: o que mais me acontece agora é perguntarem-me como é que me estou a dar, agora que não faço nada! já nem sei bem o que responder:(

    ResponderEliminar
  4. 2011 também fica marcado pelo ano em que não trabalhei... estou de licença sem vencimento por razões de ordem familiar e longe do meu país, mas nem por isso deixou de ser um ano muito profícuo! cresci, 'desenrasquei-me', arranjei formas de passar o tempo e de me cultivar, fiz novas amizades, dediquei mais tempo a mim mesma e por isso faço um balanço positivo. Sem dúvida que foi um ano diferente.

    ResponderEliminar
  5. que 2012 seja ainda mais positivo

    ResponderEliminar
  6. estou contigo! E esse teu trabalho de agora não é muito mais valioso que tantos empregos que há por aí? Deixa-os falar, o mundo está a mudar mas devagar - felizmente há quem vá em frente a abrir caminho.

    Bom Natal!

    ResponderEliminar