facebook is killing the blog star

7.6.10

7.6.10

above the trash, upload feito originalmente por silvia [raparigascomonos®].
há várias semanas que quero exprimir isto, mas não sei bem como.
abandonei o google reader e voltei às visitas particulares a apenas alguns blogs. assim como era no início, em que cada vez que visitava um blog ficava surpreendida com os posts e as imagens e os pensamentos. agora não! vejo e leio tanta coisa, que pouco fica de verdade retido na minha cabeça. acho que o facebook veio ajudar a estragar essa qualidade na leitura dos blogs. de facto, passo pelas entradas de muitos blogs no facebook, leio o título e avanço ou raramente espreito...mas em muitos casos já nem visito a página original, fico-me por lá. e eu tenho pena que assim seja, porque para mim, não é nunca a mesma coisa ler um texto e uma imagem e visitar de facto um blog. visitar um blog é como ser convidado para a casa de alguém, ler entradas no facebook é como mandar mensagens por sms...
mas hoje fiquei contente, conheci um novo blog (através do facebook - crédito lhe seja dado) e gostei! e fiquei! e li! e vi! e imaginei a vida desta rapariga! a casa! o trabalho! os sentimentos e pensamentos! lá está, fui lá tomei um café com ela e voltei:)
o blog: http://umaveznaochega.blogspot.com/

9 comentários

  1. Ás vezes tenho a sensação que o stress frenético do dia a dia passou a constar, também ele, daqui.

    Continuo a ter marcadores para todos os blogues que acho interesantes mas dou prioridade aos portugueses e pouco mais. Quando tenho mais tempo espreito os outros.

    Muito em muito pouco tempo.

    ResponderEliminar
  2. Concordo contigo. Acontece-me exactamente o mesmo. Às vezes parece que já nem tenho tempo para estas leituras, mas sinto tanta falta...

    ResponderEliminar
  3. Revi-me no post! é isso! e acho que vou fazer o mesmo! Eu que ando sempre a "kitar" o meu blog com coisas diferentes, não gosto de ser lida no reader!

    ResponderEliminar
  4. Sim, é verdade, também noto isso comigo, este exagero de informação, que realmente, muito pouco fica retido no cérebro. Tudo isto dá-nos a sensação de 'rapidez', ao tentar saber 'tudo', é a ilusão que estamos em cima do acontecimento.
    O que nos leva à 'falta de tempo'.

    Sinto que estamos todos num grande limbo, a tentar adaptar-nos a novas realidades, novas formas de viver, mas ainda não estamos 'lá'. Estamos no vértice. Gostei mto deste artigo :
    http://www.city-journal.org/2010/20_2_snd-concentration.html

    Tem tudo a ver com o que falas aqui.

    bjos

    ResponderEliminar
  5. Eu mesmo com o reader abro sempre os blogs. Gosto de ver como as imagens e textos se relacionam com o resto do blog. Também sinto que o FB está a acabar com a visita aos blogs e é tão mais desinteressante. É pena!

    ResponderEliminar
  6. De facto, é tanta informação que acaba dispersa. Há uma obrigação numa natural triagem mas nem sempre essa tarefa está facilitada.
    Dantes, se fossemos todos gordos estávamos mais unidos/juntos/ligados. Hoje, a figurada formosura chama-se Facebook.
    O globo, além de excessivamente rápido, também está demasiado virtual.

    ResponderEliminar
  7. Concordo plenamente! E Maria Helena, subscrevo!

    Além de ter-se pouco tempo para ler noto também que fico bloqueada para a minha partilha que precisa de tempo e de ar para respirar... Por exemplo tenho andado a sentir precisamente este post mas nem consigo parar para escrever calmamente o que passa pela cabeça. Assim, fica o comentário rápido de quem subscreve.

    ResponderEliminar
  8. Concordo contigo em absoluto! O Facebook está a matar o blog mas eu continua a dar e a dedicar mais tempo ao segundo que ao primeiro. Obrigada pelo link, percebo que te tenha prendido a atenção, é muito interessante!

    ResponderEliminar
  9. também deixei de usar o reader, é tão feio... agora uso o feedly, e geralmente se o conteúdo me interessa, abro então a página original para o ver no seu contexto real. gosto muito dessa ideia de ir visitar a casa de uma pessoa, e acho que cada vez mais assim será. estas extençoes digitais de nós mesmos, lugares que criamos usando novas linguagens, são as nossas novas casas.

    ResponderEliminar