a gosto

12.8.08

12.8.08

barco boador, originally uploaded by rapariga como eu.

não gosto...estão todos de férias para algum lado, não se passa nada de interessante, a blogosfera está a dormir:(((
para além disso a minha corda estica enquanto o tempo encurta...para o dia, em que lá vai começar uma nova fase...trabalho para mim, escola para ela!
sinto-me com a corda ao pescoço...a esticar, a esticar, a esticar!

7 comentários

  1. Ela está quase a fazer 2 anos e não sabe o que é um infantário.
    Eu, só de pensar em deixa-la lá, fico com o coração apertadinho. Sacrifico muito da minha vida para poder estar com ela mas, por enquanto, acho que vale a pena.

    ResponderEliminar
  2. ai, como eu entendo a tua angústia...
    tive que deixar a minha alice na creche com 5 meses e meio... podes ler aqui o que escrevi na altura: http://in-my-pocket.blogspot.com/2006/08/leaving-you.html
    http://in-my-pocket.blogspot.com/2006/09/back-to-work.html
    e, acredita, se soubesse o que sei hoje, teria alterado toda a minha vida (que é que vou fazer agora, 2 anos mais tarde) para que isso não tivesse que acontecer.
    mas quando não se tem alternativa (eu não tinha na altura), o melhor é respirar fundo e pensar que o que não tem remédio, remediado está. :-)

    ResponderEliminar
  3. Olá. Eu ao contrário dos comentários anteriores não tenho qualquer razão de queixa dos infantários. O P. foi aos 5 meses, custou-me mais a mim do que a ele. Fiz uma semana de adaptação ainda em licença de parto para minimizar a mudança e facilitar a adaptação a ambos. Sempre foi saudável, nada de especial mas é claro que é mais fácil apanhar qualquer constipação ou gastro num ambiente com mais crianças, mas para isso contribuem muito as regras de higiene implementadas na creche. Aos 2 anos mudou para uma creche maior e até hoje é feliz e saudável.
    Não acho que tenha negligenciado o meu papel de mãe. O que é importante é acompanhar o desenvolvimento, ter uma boa relação com quem está com os nossos filhos, confiar e estar atenta. Como em tudo na vida, há que ter serenidade para que tudo corra pelo melhor. Eu optei pelo infantário em detrimento das avós e não me arrependo. Se houver um segundo rebento o processo será o mesmo. E não acho que seja uma mãe menos presente e interessada. Sinceramente, vai correr tudo bem vais ver... felicidades

    ResponderEliminar
  4. não penso que o facto de ter que deixar um filho na creche seja sinónimo de falta de interesse ou de negligência do que quer que seja.
    no meu caso era uma necessidade. veio a revelar-se a pior opção possível, obviamente por causa das normas de higiene não-vigentes e pelo facto de reinar a incompetência e o bom-senso faltar.
    podia aqui enumerar todas as coisas que aconteceram, mas transformaria este comentário num testamento.
    a minha filha esteve doente quase permanentemente (saía da creche e ficava boa), os contágios eram cíclicos e não havia o mínimo de cuidado quer das pseudo-educadoras e auxiliares em evitá-los, quer dos pais, que teimavam em levar as suas crianças doentes depois de terem dado 1 benuron. o estímulo intelectual era nulo, absolutamente nulo.
    talvez tenha sido uma questão de falta de sorte com a escolha e desculpa se te desanimo, mas gostava de ter tido alguém que me tivesse mostrado este lado negro das creches, porque talvez tivesse ponderado as coisas de outra forma.

    ResponderEliminar
  5. quanto à escola não tenho qq problema, a qualidade é muito boa, ou não fosse ela dirigida pela minha irmã!
    tenho é medo que ela sinta muita a mudança, mas acima de tudo, sei que eu vou sentir!!!! e esse problema o infantário não vai resolver! bem, mas não é o fim do mundo, se ela estiver bem e feliz eu também vou ficar:)

    ResponderEliminar
  6. Como tive a M. a meio da faculdade foi mais fácil, para mim, conciliar tudo pela flexibilidade natural de um estado "não-laboral".
    Ainda assim, no recomeço das aulas após parto ainda ponderei a hipótese do infantário (ela tinha 6 meses), do qual desisti prontamente depois de visitar muitos berçários. Tinham todos boas condições mas não achei que uma criança daquela idade tivesse algo a ganhar naquele ambiente.
    Naquela altura fiz a opção de a deixar 3 dias inteiros por semana com os avós, em vez do berçário, e até hoje tenho a certeza de que fiz a escolha certa.

    Os avós (quando têm disponibilidade) têm um papel muito importante na sociedade e uma criança ganha muita estabilidade emocional sabendo que tem tal apoio familiar. Cresceu feliz e sei que ela se sente bem em qualquer uma das três casas que tem (pais+avós), onde está sujeita a influências muito diferentes.

    Aos 2 anos, começou a manifestar necessidade de estar com outras crianças, e nessa altura começou a ir as manhãs para o infantário, onde continua agora. Aprendeu a respeitar professores, interagir com colegas, resolver os problemas de relações na escola, etc. Considero a escola uma parte muito importante da aprendizagem social.

    Não acho que uma mãe seja uma super-mulher que deva conseguir tomar conta de tudo e todos. Acho que deve tentar encontrar a solução que permita viver com qualidade, e isso só pesando todos os factores que, invariavelmente, resultam em soluções diferentes para todos.

    ResponderEliminar
  7. também sou apologista da solução "avós", infelizmente não tenho essa sorte, e por isso, para mim, as hipóteses são muito reduzidas e a única viável, neste momento pelo menos, será a creche...como já foi aqui dito..."o que não tem remédio, remediado está"

    ResponderEliminar