'We want to read about characters that win'

17.10.14

17.10.14

Hoje no Humans of New York, a afirmação deste homem relembrou-me algo que penso por aqui vezes e vezes sem conta.

“I’ve written so many stories and novellas that nobody will look at, plays that I can’t get produced, screenplays that will never be made. Everything is so branded these days in the art world, it’s so hard for an outsider to get work.” 
“In what way would you consider yourself an ‘outsider?’” 
“I’m interested in failure, so those are the themes that I like to explore. But we live in a society that celebrates triumphalism. A society wants art that reaffirms itself. We want to read about characters that win.” 
“What was your lowest moment as an artist?” 
“I worked on a screenplay for two years, and it had just been turned down by the fifth theater in a month, and I remember walking down 5th avenue in the middle of winter, tossing the pages one by one into the slush, vowing never to do it again. It was just a few blocks from here, actually.”

E é isso, também aqui pelos lados da internet se vive o mesmo que nas artes.
Há os extremos, a internet que parece que só celebra o lado bom e bonito da vida, desde as fotografias bonitas, às frases inspiradoras, aos posts sobre mudança de vida, ao exercício físico, casas e roupas bonitas, viagens pelo mundo, etc, etc. Por outro lado temos a internet que se dedica ao escárnio e mal dizer, que é o oposto desta, mas nem por isso mais verdadeira.

E a falha? E os projectos que nunca saem da gaveta? E as tentativas sucessivas sem qualquer sucesso? E os corpos imperfeitos? E a roupa velha e sem graça? E a cara de quem apanhou um murro logo pela manhã? E os amores que nunca venceram? E o desemprego? E as traições? E as desilusões? Ninguém usa? Ninguém tem? Ninguém vive? Ninguém falha?

Eu falho, porque muitas vezes quando sinto que estou num desses momentos, fecho-me e não digo nada, ou o que digo nada quer dizer. O que interessa ao mundo o nosso falhanço se não houver um final feliz? Se não houver uma motivação boa, um encorajamento ao começar de novo, ao fazer e acontecer? Se calhar não interessa nada e as 'massas' não querem ler blogs deprimentes, isentos de glamour e de detalhes fofos.

Eu abro o meu instagram e só vejo coisas fixes. Mesmo! Desde fotografias bonitas, trabalho artístico, a viagens pelo mundo, selfies bem dispostas, roupas novas, frases encorajadoras, comida saudável, famílias felizes. Eu também gosto de ter um instagram bonito, com cor e imagens que me trazem boas sensações, não quero ter um instagram que me lembre do menos bom, para quê?
No outro dia li um post da Garance Doré que falava sobre isso e em que ela dizia que os amigos lhe ligavam e partiam do princípio que ela estava super bem graças às fotos no seu IG, quando ela tinha acabado de se separar, sair de casa, e estava a passar um mau bocado. As redes sociais não são mesmo a vida real, nunca vão ser, mas que têm grande influência na forma como os outros nos vêem, isso é certo, principalmente se os outros estão distantes fisicamente de nós.

Quando tive a trombose e falei dela por aqui, tive muitas reacções de pessoas interessadas em ajudar e preocupadas, mas também li o comentário sarcástico daquele que publica isso porque quer chamar a atenção.
É preciso peso e medida, entre o virtual e o real, é preciso desligar frequentemente o cérebro e o coração de uma máquina que não é a vida.
Mas também é preciso falar da vida, do falhanço e dos finais que não são felizes. Porque faz parte. Porque se também aqui tudo acaba bem, com os bons de um lado e os maus do outro, então mais vale mesmo ver as telenovelas, porque lá sabemos que está tudo feito para ser assim.


10 comentários

  1. É verdade. Eu por exemplo, tenho sonhos que sei que terei que perder e que serão falhados, mas sei que se falo deles na internet serão ou razão de escárnio ou então pensarão que é para ter pena de mim. Vivemos numa sociedade em que se algo tem sucesso toda a gente de vira para o assunto, e esquecemo-nos que um ecossistema para ser resiliente precisa de variedade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, a variedade é importante, não só para quem lê, como para quem escreve, se decidimos falar de coisas da vida, é importante abordar diferentes vertentes. Pelo menos para mim, como leitora e autora de um blog é.

      Eliminar
  2. Nós procuramos 'finais felizes', inspiração, algo que nos faça acreditar que tudo vai acabar bem, mas eu procuro blogues reais (ou o mais real, vá) e ler palavras menos positivas faz sempre parte, porque a vida é mesmo assim.. Não gosto de quem só vê o lado cinzento da vida, essas pessoas cansam-me, mas sei que não há ninguém que só tenha dias cor-de-rosa. *

    ResponderEliminar
  3. Tens toda razão. Acho natural, procurarmos pelo bom e pelo bonito. Mas o ruim é achar que a vida dos outros é sempre melhor que a nossa, né?
    Gosto muito do teu site.
    Sinto falta dos turbantes.
    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os turbantes:D também eu sinto falta, mas não há tempo para tudo, temos de fazer opções. Obrigada por deixares o teu comentário!

      Eliminar
  4. Eu prefiro gente real. Imperfeita. Perceber que às vezes as coisas correm mal, outras vezes bem, outras vezes assim-assim. E que muito fica pela vida real. Na sua intimidade. Gente inteligente que nos motive e inspire, sem se impor num ideal de perfeições perfeitas demais.

    ResponderEliminar
  5. Tens toda a razão. Há uma certa necessidade de acreditar que tudo está bem, que tudo inspira, que tudo é bonito, que tudo faz sentido. O mundo blogueiro ajuda e acentua tal necessidade. Mas sim há rotinas, há falhanços, há sonhos perdidos e é isso que nos faz ser, que nos faz crescer.

    ResponderEliminar
  6. Tudo é real aquilo que aqui escreves! Não vale a pena escrever algo mais , Silvia tu já disseste tudo e MUITO BEM !

    ResponderEliminar
  7. Há uns tempos atrás tinha um blog chamado Pegadas no Orvalho. Partilhava coisas bonitas, mas também alguns falhanços e tristezas. Acabei com ele. A partir de uma certa altura olhava para trás e encontrava palavras que não queria recordar sobre momentos que me tinham feito crescer, estavam gravados, mas não os queria ali. Criei o José. Decidi que ia ser o blog onde só está aquilo que me aquece a alma. Na maior parte das vezes com uma visão imperfeita e totalmente influenciada pelos estados de espírito. mas são só coisas que me fazem bem, que vou querer sempre recordar, que são as minhas coisas bonitas. São também as coisas bonitas dos outros que procuro nas teias da internet.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Compreendo perfeitamente o teu ponto de vista, isso tem apenas a ver com aquilo que decidimos partilhar ou não. Um blog não é um livro aberto, nem tem de ser. Eu apenas gosto de ler sobre vertentes diferentes, ideias, pontos de vista, experiências, boas ou más, o lado belo é inspirador, mas também consegue ser redutor.

      Eliminar